Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

[RN] JORNAL DA UFPR FALA SOBRE ATEÍSMO

Expand Messages
  • Daniel
    JORNAL COMUNICAÇÃO, 01-04-2011 CRER OU NÃO CRER, EIS A QUESTÃO Quem opta pelo Ateísmo corre o risco de sofrer preconceitos Reportagem Olívia Baldissera
    Message 1 of 1 , Apr 1, 2011
    • 0 Attachment
      JORNAL COMUNICAÇÃO, 01-04-2011

      CRER OU NÃO CRER, EIS A QUESTÃO

      Quem opta pelo Ateísmo corre o risco de sofrer preconceitos
      Reportagem Olívia Baldissera

      "Foi como se, durante toda a minha vida, eu tivesse vivido com uma venda nos olhos". É assim que começa o perfil no Orkut de Marina Oliveira, membro da comunidade `Ateus do Brasil'. Muitas dúvidas surgem quando se fala em Ateísmo, sobretudo porque as ideias que a maioria das pessoas tem sobre este posicionamento são bastante rasas. E por conta do desconhecimento envolvido, a aceitação da escolha dos ateus às vezes pode ser bem complicada.

      Mas afinal, o que é Ateísmo?

      Segundo o site da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (ATEA), há várias definições para Ateísmo. A mais abrangente seria justamente o significado do termo, ou seja, a ausência da crença em alguma divindade. Diferente das religiões conhecidas, o Ateísmo não é uma doutrina e tampouco prega uma. Não há, portanto, nenhuma espécie de texto sagrado ou uma hierarquia.

      Para a professora Åsa Heuser não foi difícil se assumir ateísta. Nascida na Finlândia, sua família é quase que inteiramente composta por ateus. Segundo ela, descobrir o Ateísmo "é como se parássemos de correr atrás da miragem lá longe no deserto – que quando se chega perto se percebe que não tem nada lá – e começássemos a prestar atenção naquilo que tem imediatamente ao nosso redor", como descreve no blog que possui

      A mesma aceitação aconteceu com o jornalista Rafael Porto. Vindo de uma família católica não praticante, ele se sente respeitado pela família, amigos e colegas de trabalho. E quanto ao preconceito, Rafael também teve sorte. "O máximo que acontece é as pessoas acharem esse posicionamento um tanto quanto excêntrico. As pessoas muitas vezes acham que é uma coisa muito diferente e estranha ser ateu", conta.

      Contudo, a decisão pelo Ateísmo pode se tornar bastante difícil devido à aceitação dos outros. O presidente da ATEA Daniel Sottomaior conta que a percepção pública do Ateísmo não poderia ser pior. Em seu twitter (@ateus_atentos), Sottomaior compila os tweets maldosos envolvendo ateus. Comentários que relacionam ateus ao diabo, comparando-os a assassinos e culpando "aqueles que não têm Deus no coração" de todas as desgraças são bastante comuns. Também é possível conhecer casos de preconceito contra ateus que acontece dentro de salas de aula de escolas públicas, bem como diversos outros casos que acontecem no país na aba `Denúncias' do site da associação

      Quando uma denúncia de preconceito chega até a ATEA, a associação busca lutar com todas as armas que tem, buscando apoio da mídia – o que geralmente é infrutífero –, tentando mobilizar ateus para protestos e levando alguns casos à justiça. "As pessoas procuram a associação por um motivo simples: praticamente todo o resto das pessoas e das instituições lhes é indiferente ou mesmo contrária", afirma Sottomaior.

      Para a estudante Marina de Oliveira, o preconceito é maior entre as pessoas mais velhas, geralmente mais conservadoras. "É engraçado que desde que a pessoa tenha algum tipo de crença, não há problema para a sociedade. Agora, quando há falta de crença, a sociedade não aceita", comenta. Marina teve problemas quando descobriu o Ateísmo. Criada desde pequena por uma família religiosa, ficou com medo de estar "fazendo a coisa errada" quando percebeu que sua crença estava mudando. Inclusive, sua mãe teve dificuldade em aceitar seu novo posicionamento. "Antes ela chorava e tentava me fazer voltar para a Igreja. Quando eu contei, ela tentou me fazer ir conversar com um padre, para rever o meu pensamento, como se não fosse um jeito válido de se pensar", relata.

      A estudante ainda ressalta como a maioria dos ateus buscam aproveitar muito mais a vida, porque acreditam que está é a única chance. "Muitos acham que a vida sem Deus pareceria sem graça e sem sentido. Porém ela parece ainda mais bonita quando entendemos que mesmo não havendo motivo nenhum para estarmos aqui, nós estamos", conclui a estudante.

      Projeção em um objeto externo

      A religião afeta diversas relações na vida dos indivíduos em que está presente. Ela pode ser vista desde um instrumento de enfrentamento – o apoio na hora de enfrentar uma doença, por exemplo –, como também pode gerar certas patologias. Segundo o professor de Psicologia da UFPR, Adriano Furtado Holanda, o senso ou sentido religioso está presente em todas as pessoas. Portanto, o Ateísmo seria a decisão por não buscar um sentido em algo que projetaria o indivíduo a um objeto externo a ele mesmo, como acontece na religião. "Há diversas formas de Ateísmo, mas na maior parte delas, estamos falando de uma reação a um processo de institucionalização ou a um processo de limitação de pensamento", explica Holanda. [i]
    Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.