Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

“Em vez do direito à diferença...o direito à indiferença”

Expand Messages
  • cajos34
    Em vez do direito à diferença, a politica de homogeneidade cultural impôs o direito à indiferença B.S.Santos Definição do objecto e dos métodos de
    Message 1 of 1 , Nov 3, 2005
    • 0 Attachment
      "Em vez do direito à diferença, a politica de
      homogeneidade cultural impôs o direito à
      indiferença"

      B.S.Santos


      Definição do objecto e dos métodos de estudo

      O presente trabalho é uma investigação que procura, analisar
      conjunturas políticas que emergem em contextos de transição e
      consolidação democrática em países multiétnicos i.e., é um trabalho
      que pretende estudar: i) situações de mobilização social, ii)
      processos de democratização, iii) consolidação democrática, iv)
      algumas características essenciais da democracia política em
      contextos multiétnicos, e finalmente v) a possível construção de uma
      ordem democrática pluralista.

      (...)

      " No mundo pós-guerra fria as diferenças mais importantes entre os
      povos não são ideológicas, políticas económicas. São culturais. Os
      povos e as nações estão a tentar responder à mais básica questão que
      os seres humanos enfrentam: quem somos nós? E respondem a esta
      pergunta da forma mais tradicional, tendo como referência o que mais
      conta para eles. As pessoas definem-se em termos de ascendência,
      religião, língua, história, valores, costumes e instituições.
      Identificam-se com grupos culturais: tribos, grupos étnicos,
      comunidades religiosas, nações e, a um nível mais amplo,
      civilizações. As pessoas usam a política não só para promover os
      seus interesses, mas também para definirem a sua identidade. Só
      sabemos quem somos quando sabemos quem não somos e, frequentemente,
      contra quem somos." (Huntington, 1999, p.28)

      Alguns teóricos insistem na defesa de que os modernos governos devem
      evitar apoiar qualquer cultura societal e/ou etnocultura concreta,
      na sua gestão política. As nações étnicas são diferentes das nações
      cívicas, pelo facto de a primeira contemplar, como um dos seus
      objectivos mais marcantes a reprodução de uma cultura, de uma
      língua, de uma identidade etnonacional. A segunda, pelo contrário, é
      neutral no que diz respeito às identidades etnoculturais dos
      cidadãos, considera que a nacionalidade se manifesta pelo sentido de
      pertença e/ou adesão a certos princípios de democracia e justiça.[5]

      De acordo com este ponto de vista, as nações cívicas tratariam a
      cultura da mesma forma que a religião: o Estado é laico, da mesma
      forma, que assume uma posição culturalmente neutral em relação às
      diversas culturas em presença. O que significa que cabe aos
      indivíduos isoladamente ou colectivamente, cuidar e cultivar no
      interior da sua vida privada e/ou enquanto membros da sociedade
      civil, organizar-se de acordo com as suas opções de vida religiosas
      e culturais.

      (...)

      Continuação:

      http://karjos.blogspot.com/

      Cajo
    Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.