Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

Angola. Historia e Civilizacao. A Genese da Humanidade.

Expand Messages
  • souindoula simao
    souindoula 10001.pdfsouindoula 20001.pdfPlanaltos Centrais, terra Ovimbundu.docxRenovo-lhe a expressao da minha perfeita consideracao. Simao SOUINDOULA ANGOLA.
    Message 1 of 3 , Jun 25, 2013
    • 0 Attachment
      souindoula 10001.pdfsouindoula 20001.pdfPlanaltos Centrais, terra Ovimbundu.docxRenovo-lhe a expressao da minha perfeita consideracao.

      Simao SOUINDOULA







      ANGOLA. HISTORIA E CIVILIZACAO

      OS PLANALTOS CENTRAIS. A GENESE DA HUMANIDADE

      Região de estabelecimento propício ao desenvolvimento humano, o conjunto dos “omunda” registou, em todos tempos, uma notável dinâmica evolutiva que faz, naturalmente, desta zona, relativamente, saudável, a mais povoada do atual território angolano.

      UM PASSADO PREHISTORICO SIGNIFICATIVO

      O atual ov’okati atestou a presença do Homo Sapiens com toda a sua bagagem lítica, os seus conhecimentos da vegecultura, a domesticação de animais e a expressão gravada parietal, aglutinando bem, naturalmente, as características do tríptico da classificação Congo/Zambeze/Sudoeste.

      Este “tete omanu” evolui, em entre outras linhas, em Benguela, na Baia das Vacas, na Ponta do Sombreiro, na Praia Farta, ao longo do rio Dungo, nos abrigos sob rocha de Ebo, Luee e Djole, em Delambira, no Galanga, nos rios Cuengue e Xissoi, próximo da missão de Chipindo.

      Este, que se tornou metalurgista, explorou os aluviões auríferos mungo, gravou em Caninguiri, pinturas rupestres, estabeleu-se na Ganda, em Cambambi, uma zona de inselbergs, entre as serras do Hondio e do Epale, uma oficina de fundição de ferro.

      A grande referência da pré-história da” utima” e o emblemático sítio da decisiva idade de ferro, o Feti (génese), no planalto do Huambo, na confluência do Cunhangama e Cunene, a cerca de 100 km da referida cidade.

      A sua grande importância e revelada na sua montagem, numa inesperada pirâmide de pedra, na tenaz mitologia de tesouro, verdadeiro cofre siderúrgico, de lugar sagrado, local de ritos, fortes.

      Com efeito, a pluviogonia, e uma das crenças fixadas neste onele, “Montagem de Pedras para implorar a Agua”.

      PLUVIOGONIA

      A relevância deste sítio da Iron Age reside, igualmente, no facto que e, ali, que os Ovimbundu baseia a origem da humanidade, com o poético casal, Feti e Tchoya.

      Os seus descendentes edificarão, numa firme sinergia, federadora, o Galangue, o Viye, o Huambo, o Sambo, o Cuima e a Caconda, nação assinalada, jaga, em 1641.

      E atestado em 1680, a existência ou a formação, em curso, na primeira metade do seculo XVIII, desses espaços políticos.

      Os Hanha reivindicam, particularmente, a gesta do lendário casal que passou por Mbalasese, no atual Quiaca, em direção ao norte, na margem direita do rio Cuanza. Ai, eles engendram o Rei Ngola.

      A datação feita num dos contextos estratigráficos do reservatório deu a data, interessante, do seculo VIII da nossa era.

      Esse domínio da metalurgia associado ao forte crescimento demográfico das comunidades bantu, provocou migrações estruturantes nos reconfortantes e seguros Planaltos.

      Haverá, ai, uma autêntica convergência pan-bantu.

      Assim, admite-se, geralmente, que uma substancial parte das populações ovimbundu são descendentes de povos que fizeram a sua entrada pelo norte de Angola e que os ascendentes kongo foram os primeiros a instalarem-se nas Serranias.

      Estes, juntaram-se a outros vindos do nordeste, do sudoeste e do sul do atual território angolano; prova disto esta na língua umbundo, produto patente do Kikongo/Kimbundu e do lunda/luba/cokwe.

      Esse fim de milénio parece ser o da formação das referidas entidades politicas, cuja indiscutível ilustração, foi a construção de fortificações, reflexo típico dos marciais Jagas, que movimentavam na região no inicio do seculo XVII.

      SOBERANIA MATRILINEAR

      Vê-se, essas edificações no morro do soba Cungo, no morro da Cela, no Huambo, na Ganda e em Samissasa, Quiaca, Quivula, Andulo, Quingolo, Caluquembe, Quipete e Quitata.

      Visivelmente, tendo em conta a sua extensão, as fortalezas foram montadas e reforçadas, reinado apos reinado, como pareceu o indicar, o 19 Rei do Huambo, Capoco II, que governou de 1846 a 1860.

      Pode-se notar alguns factos sobre essas entidades politicas.

      Assim, a mais poderosa formação pareceu ser o Huambo, enquanto o Mbailundu era a mais extensa e populosa. Esse ultimo reino tinha a volta de 1850, uma população estimada a meio-milão de indivíduos, repartidos em 200 circunscrições, contendo de 3 a 300 aldeias.

      O vigoroso Reino do Huambo tinha a sua capital, Mbola, a 7 km a norte de Caala.

      E, facto confirmativo das relações com o setentrião das “Altitudes”, sobretudo o Imbangala de Kasanje, um jaga conhecido como Huambo Calunga, vindo do vale do rio Queve, reinou, ai, pelo menos, em 1635 ou 1640.

      Os títulos políticos tais como ngolambolo ou tendala corroboram o referido relacionamento.

      Uma entidade com uma governação particular foi o Ganda, dirigido, durante por algum tempo pela Rainha Caue.

      Os Planaltos jagaizados, sobretudo depois da sua expulsão do Reino do Kongo, em 1573, transformaram-se como a placa giratória, frenética, do tráfico caravaneiro de escravos, marfim e cera, já a partir do seculo XVIII, entre o hinterland e a costa.

      AI OS JAGAS

      A fim de parar as repetidas incursões dos ukwalomunda, tornados perigosamente expansionistas, a Colonia de Angola empreendeu uma autêntica guerra, entre 1774 e 1776, contra Mbailundo, Andulu e Bié.

      O conflito que revelou um equilíbrio militar, desembocou numa aliança estratégica, de razão, eminentemente, comercial, entre a entidade portuguesa e o tríptico ovimbundu.

      De facto, os efuli reforçaram as suas linhas de longa distancia de abastecimento se bem que e certificado, em 1795, a sua presença no território lwena, e em 1840, na capital do Imperio Lunda e no Reino Lozi e, alguns anos depois, atingira, o vale do Kasai.

      O perfil dos produtos das quibucas que estava a mudar ate, pelo menos, 1880, fixou-se na opção, mais lucrativa, da borracha vermelha, que os kangundu descobriram a leste do Cuanza, em 1886. A corrida dos kangweta para esta renda foi geral e só foi interrompida, a partir de 1890, pelos confrontos armados luso-ovimbundu, as guerras do Nano ou as guerras pretas, que alastram-se em 1896 e 1902, mas também, pela terrível fome de 1911.

      Nas memórias dos Planaltos, este ano aponta o fim do negócio de longa distância, que foi, arduamente, animado pelos mambari ou quimbáre, mbali, ovimbali.

      O termo deste ciclo económico resultou, igualmente, da situação politica, militar e social, instável, numa extraordinária recorrência, no litoral, exutório, estratégico, de Benguela, Catumbela, Lobito, Egito, Quicombo, Novo Redondo e Benguela - a -Velha.

      Os ofumbelo levaram, uma luta permanente contra a consolidação e a expansão coloniais, tal como nos presídios de Hanha, Caconda, Quilengues, nos Reinos do Dombe Grande e dos Seles.

      DE SOL A SOL

      Uma das causas deste estado de insurreição permanente e a continuação de um tráfico humano com as ilhas de São Tome e Príncipe e o abastecimento em mão-de-obra das plantações de algodão do litoral, resultante da forte demanda internacional deste produto, na sequência da guerra de secessão nos Estados Unidos de América.

      Esses trabalhadores laboravam na qualidade de verdadeiros “omumbe” ou “neo-upika”, obrigados a labutar de “sol a sol”.

      Outro fator que de desagrado económico e social foi a usurpação das terras agrícolas pelos colonos.

      As últimas lutas de resistência foram tenazes no coração dos Planaltos, alastrando-se entre 1890 e 1904.

      Vários ependa vão destacar-se na defesa da soberania dos territórios tais como Cikunyu (1888 1890) que bem autointitulou-se Ndunduma, “a Faisca”, Numa II (1895 – 1896), Samba Iolundungo, o famoso Samacaca “O Feiticeiro” (1902 – 1904), que notabilizou-se nas ataques das caravanas, ao longo do rio Cuvo e, no ano de todas as resistências, 1902, Mutu ya Kevela , Libongue, Tchibaba e Caimbuca.

      O conjunto dos Estados do centro perdera a sua independência e será submetido a ordem colonial moderno, com as suas exigências políticas, os seus alinhamentos económicos e as suas imposições sociais.

      Este desenvolvimento terá como espinha dorsal, o Caminho de Ferro de Benguela, cujo contrato de construção foi, justamente, assinado, em 1902.

      Esta solida ligação chegara no Huambo, dez anos depois, e, em 1903, no Bié, criando, no coração de Angola, uma nova configuração planáltica que marcara a historia contemporânea do pais.

      PRINCIPAIS REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

      Cadornega, O., Historia Geral das Guerras Angolanas, Lisboa, 1940.

      Childs, G.M., Umbundu Kinship, and Character, Londres, 1949.

      Delgado, R., Historia de Angola, Benguela, 1948, Lobito, 1953.

      Edwards, AC., The Ovimbundu under two Sovereignties, Londres, 1962.

      Ervedosa, Carlos, Arquelogia Angolana, ME, 1980.

      Hambly, W.; The Ovimbundu of Angola, Chicago, 1934.

      Lanfranchi,R., Clist, B, éds, Aux Origines de l’ Afrique centrale, CICIBA/CCF, 1990.

      Leguennec, G., Valente, J.F.,

      Dicionário Português -Umbundu, IICA, Luanda, 1973.

      MC Culloch,. The Ovimbundu of Angola, Londre, 1952.

      Malumbu, M., Os Ovimbundu de Angola. Tradição, Economia e Cultura Organizativa, Edizioni Vivere In., Roma, 2009.

      Obenga, Th. , Souindoula, S.,

      Racines Bantu.Bantu Roots, CICIBA, Paris, 1992.

      Plancquaert, M., Les Yaka. Essai d’ Histoire, MRAC, Tervuren.

      Pélissier., Les Guerres Grises. Resistances et Révoltes en Angola1854 – 1926, Orgeval, ed. do autor, 1978.

      Souindoula,S., Curso sobre a Historia Geral de Angola, Cadernos n 2, ISCED, Lubango, 1984.

      idem, “ Migrações, fusões e fundamentos históricos antigos dos povos bantu ocidentais”

      in Muntu, Revue Scientifique et Culturelle du CICIBA, Libreville, No 2, 1 semestre 1985.

      Idem, Os Planaltos Centrais angolanos, epicentro de uma forte sinergia humana, in vários websites, 2013.


      Valente, J.F.,

      Seleção de provérbios e adivinhas em umbundu,

      J.I.U., Lisboa, 1964.

      Vansina, Jan, Les anciens royaumes de la savane, Léopoldville, 1965.

      Por

      Simão SOUINDOULA

      Historiador e Perito da UNESCO
      C.P. 2313
      Luanda – Angola
      Tel. + 929 74 57 34











      --- En date de : Ven 31.5.13, Ricardo Riso <risoatelie@...> a écrit :

      > De: Ricardo Riso <risoatelie@...>
      > Objet: [Lista do C. Est. Multiculturais] Australidades Na Madrugada dos Sons
      > À: multiculturais@yahoogroups.com
      > Date: Vendredi 31 mai 2013, 2h23
      > Memoria, pan-africanismo e revisao
      > critica da historia no poema
      > Australidades (Na Madrugada dos Sons), de Jose Luis Hopffer
      > C.
      > Almada<http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/4699>
      > PDF<http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/4699/4866>
      >
      > Ricardo Silva Ramos de Souza
      >
      >
      >
      > ------------------------------------
      >
      > WEB: http://www.multiculturas.com
      >
      > LISTA DE MENSAGENS: visite e leia outras mensagens em
      > http://groups.yahoo.com/group/multiculturais/
      >
      > CENTRO DE ESTUDOS MULTICULTURAIS
      > 15 anos estudando as culturas periféricas
      > e as migraçõesYahoo! Groups Links
      >
      >
      >     multiculturais-fullfeatured@yahoogroups.com
      >
      >
    Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.