Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.
 

palestras sobre povos do Sul de Angola

Expand Messages
  • Heliodoro Abambres
    Ex.mos Senhores, Na sequencia do anterior e-mail e/ ou contacto envio o prospecto sobre a possibilidade ou intencao de realizar varias palestras, combinadas
    Message 1 of 2 , Oct 5, 2012
    Ex.mos Senhores,

    Na sequencia do anterior e-mail e/ ou contacto envio o prospecto sobre
    a possibilidade ou intencao de realizar varias palestras, combinadas
    com a exibicao de documentarios, cuja tematica se circunscreve aos
    povos autoctones KhoiSan e Herero, de autoria e realizacao de
    Francisco Junior, jovem realizador angolano, assessorado por Heliodoro
    Abambres, que pela sua especificidade, convida potenciais
    interessados, sobretudo academicos para um profundo exercicio de
    reflexao e analise e quica como fonte de investigacao, atendendo a
    dinamica que os temas abarcam.


    Obrigado

    Heliodoro Abambres
  • souindoula simao
    Role and Contribution of the International Scientific Committee for the Slave Route Project in the framework of the Decade of People of African Descent Paris,
    Message 2 of 2 , Oct 10, 2012
      Role and Contribution of the International Scientific Committee
      for the Slave Route Project
      in the framework of the Decade of People of African Descent


      Paris, UNESCO House, 10 October 2012



      New Challenges and African Perspective

      by Simao Souindoula




      Exmo. Sr. Diretor Geral,

      Estimados colegas,


      E com uma viva emoção que tomo a palavra no quadro desta reunião de
      concertacao.

      Emoção de intervir, mais uma vez mais, nesse edifício prestigioso da Casa da UNESCO,

      que frequento, há cerca de uma trintena de anos.

      Quero agradecer, particularmente, o Sr. Diretor Geral, pelo generoso convite, que me foi endereçado.

      Os meus agradecimentos vão, igualmente, ao nosso colega Ali Moussa Iye e a Sra. Khadija pela eficácia com a qual, conduziram, a todas etapas, a concretização da nossa vinda, aqui.

      Analisarei, portanto, numa perspetiva africana, os novos desafios que se apresentam ao continente niger no quadro do Decénio Mundial das Populações de Descendência

      Africana.


      Campo de exercício, por excelência, da conversão a escravidão, em todas as partes, a Africa tem, nesta dinâmica decenal, um dever de consolidação memorial desta fase histórica, singularmente, penosa.

      O bloco continental devera :

      No domínio da documentação e do património:

      - Desenvolver sólidos programas de documentação digital sobre o conjunto dos arquivos, ao nível mundial, relativos aos Captive Passages ;

      - criar um Centro Pan-africano de Documentação e Informação sobre a Escravatura ;

      - arranjar e revalorizar, turisticamente, sítios ligados a captura dos mbika, pistas caravaneiras, espaços de reagrupamento costeiro e baias de embarque;

      - criar novas instituições museais e galeristas ;

      - e erguer novos monumentos e estelas.

      No domínio da investigação cientifica :

      - desenvolver estudos sobre o enraizamento lexical do trafico dos mbundu nas línguas africanas, nas tradições orais e nos comportamentos antropológicos ;

      - encorajar estudos sobre novas formas de resistência a escravatura ;

      - Apoiar a arranque da investigação arqueológica, terrestre e submarina ;

      - e produzir uma cartografia africana do trafico de escravos.

      No sector das produções culturais:

      A Afrikiya devera, neste domínio, estratégico, aumentar, além das suas realizações clássicas, as suas ofertas relativas:

      - as exposicoes electronicas ;

      - a literatura, ao artesanato e a impressão têxtil assim que gráfica evocando o Nzila Mpasi.


      Quero, para terminar, insistir sobre o facto de que a Africa tem, todos os meios, para contribuir, decisivamente, ao Decénio.

      Ela deve, nesta perspetiva, reforçar ou reformular, necessariamente, os seus métodos de parceria, de financiamento ou de mecenato, a fim de implementar programas documentais, científicos, culturais e artísticos, estruturantes.

      A cristalização do Renascimento Africana, cujo um dos fundamentos, e a partilha desta historia de opressão.

      Muito obrigado!
    Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.