Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

Gastronomia de Cabo Verde em Lisboa Portugal (PT)

Expand Messages
  • Centro InterculturaCidade InterculturaCid
    Message 1 of 3 , Oct 4, 2010
    • 0 Attachment
    • souindoula simao
      in Angopresse   21-09-2010 23:16 Literatura Historiador defende instituição de prémio internacional de literatura Agostinho Neto Luanda - O historiador
      Message 2 of 3 , Oct 6, 2010
      • 0 Attachment
        in "Angopresse"
         
        21-09-2010 23:16

        Literatura

        Historiador defende instituição de prémio internacional de literatura Agostinho Neto

        Luanda - O historiador angolano e vice-presidente do Comité Cientifico Internacional do projecto Unesco “A rota de escravos”, Simão Souindoula, defendeu hoje, em Luanda, a necessidade de instituição de um prémio literário internacional Agostinho Neto como forma de prestar um tributo a este criador.

        Simão Souindoula defendeu esta posição durante uma palestra com o tema “Comemoremos a abolição desta escravatura. Agostinho Neto, poeta libertador”, organizada pelo projecto Kanawa em parceria com a União dos Escritores Angolanos (UEA).
         
        Referiu que este prémio deveria compensar obras literárias, ensaios nos domínios das ciências ou acções de carácter político ou cívico, visando a eliminação de todas as formas de opressão humana.
         
        O historiador realçou o facto de ser necessária esta ambição pela dimensão e visão histórica do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto.

        Perante uma plateia dominada por jovens, Simão Souindoula iniciou com uma abordagem histórica sobre a penetração portuguesa no território hoje designado por Angola, abordando igualmente o período de fixação e o sistema de administração e relação dos angolanos com os colonizadores.
         
        O orador abordou, de forma bastante interactiva com os presentes, as relações entre o texto poético de Agostinho Neto, que classificou como humanista, e a escravatura.
         
        Defendeu que no texto poético de Agostinho Neto pode-se comprovar que o autor fez uma leitura absolutamente correcta da evolução histórica de Angola e que vai tentar traduzir, como principal argumento, na expressão poética.
         
        Referiu que o fundamento da sua mensagem literária é a consciencialização sobre a tragédia que foi para a pátria, o tráfico de mão-de-obra cativa, prática que perdurou, sob novas formas, até meados do século XX.
         
        Nascido aos 17 de Setembro de 1922 em Kaxicane, Icolo e Bengo, licenciou-se em medicina em Outubro de 1958 pela Universidade de Lisboa (Portugal).

        Tornou-se o primeiro Presidente de Angola aos 11 de Novembro de 1975 e foi membro fundador da União dos Escritores Angolanos (UEA), criada em 10 de Dezembro de 1975.
         
        Estadista e autor de obras bastante referenciadas no domínio da Poesia, como Sagrada Esperança, veio a falecer aos 10 de Setembro de 1979, em Moscovo, Rússia.

        Renovo-lhe a expressao de minha perfeita consideracao.

        Simao SOUINDOULA
        Vice-Presidente
        Comite Cientifico Internacional
        Projecto da UNESCO " A Rota do Escravo"
        C.P. 233
        Luanda
        (Angola)
        Tel.: + 244 929 79 32 77
      • jo abreu
        Não esqueça de incluir estudos históricos. Serão da maior importância. Um abraço. Jô Abreu. Em 6 de outubro de 2010 23:47, souindoula simao ... Não
        Message 3 of 3 , Oct 12, 2010
        • 0 Attachment
          Não esqueça de incluir estudos históricos. Serão da maior importância. Um abraço. Jô Abreu.

          Em 6 de outubro de 2010 23:47, souindoula simao <souindoulasimao@...> escreveu:
           

          in "Angopresse"
           
          21-09-2010 23:16

          Literatura

          Historiador defende instituição de prémio internacional de literatura Agostinho Neto

          Luanda - O historiador angolano e vice-presidente do Comité Cientifico Internacional do projecto Unesco “A rota de escravos”, Simão Souindoula, defendeu hoje, em Luanda, a necessidade de instituição de um prémio literário internacional Agostinho Neto como forma de prestar um tributo a este criador.

          Simão Souindoula defendeu esta posição durante uma palestra com o tema “Comemoremos a abolição desta escravatura. Agostinho Neto, poeta libertador”, organizada pelo projecto Kanawa em parceria com a União dos Escritores Angolanos (UEA).
           
          Referiu que este prémio deveria compensar obras literárias, ensaios nos domínios das ciências ou acções de carácter político ou cívico, visando a eliminação de todas as formas de opressão humana.
           
          O historiador realçou o facto de ser necessária esta ambição pela dimensão e visão histórica do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto.

          Perante uma plateia dominada por jovens, Simão Souindoula iniciou com uma abordagem histórica sobre a penetração portuguesa no território hoje designado por Angola, abordando igualmente o período de fixação e o sistema de administração e relação dos angolanos com os colonizadores.
           
          O orador abordou, de forma bastante interactiva com os presentes, as relações entre o texto poético de Agostinho Neto, que classificou como humanista, e a escravatura.
           
          Defendeu que no texto poético de Agostinho Neto pode-se comprovar que o autor fez uma leitura absolutamente correcta da evolução histórica de Angola e que vai tentar traduzir, como principal argumento, na expressão poética.
           
          Referiu que o fundamento da sua mensagem literária é a consciencialização sobre a tragédia que foi para a pátria, o tráfico de mão-de-obra cativa, prática que perdurou, sob novas formas, até meados do século XX.
           
          Nascido aos 17 de Setembro de 1922 em Kaxicane, Icolo e Bengo, licenciou-se em medicina em Outubro de 1958 pela Universidade de Lisboa (Portugal).

          Tornou-se o primeiro Presidente de Angola aos 11 de Novembro de 1975 e foi membro fundador da União dos Escritores Angolanos (UEA), criada em 10 de Dezembro de 1975.
           
          Estadista e autor de obras bastante referenciadas no domínio da Poesia, como Sagrada Esperança, veio a falecer aos 10 de Setembro de 1979, em Moscovo, Rússia.

          Renovo-lhe a expressao de minha perfeita consideracao.

          Simao SOUINDOULA
          Vice-Presidente
          Comite Cientifico Internacional
          Projecto da UNESCO " A Rota do Escravo"
          C.P. 233
          Luanda
          (Angola)
          Tel.: + 244 929 79 32 77


        Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.