Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

74Fw: UNAFE Notícias Brasília

Expand Messages
  • Manuela L. R. Mehl
    Apr 4, 2008
      Achei muito interessante o relato do nosso colega Murillo, vale a pena dar uma lida!
      Abraços
      Manuela
       
      ----- Original Message -----
      Sent: Friday, April 04, 2008 11:11 AM
      Subject: UNAFE Notícias Brasília

      Caros colegas,

       

      O relato que faço doravante representa apenas a minha visão sobre o que aconteceu em Brasília nesta semana, não é a opinião da UNAFE e nem do Rio Grande do Norte, Estado que procuramos representar com dignidade e dedicação.

       

      Antes de mais nada, quero dizer que todos nós que formamos a UNAFE devemos encher o peito de orgulho pela entidade que estamos construindo com tanto trabalho e dedicação.

       

      O Trabalho profissional organizado pela UNAFE, especialmente nesta semana, foi maravilhoso! Cerca de 50 Advogados Públicos Federais de todos os lugares do país estiveram juntos no Congresso (várias lideranças e quase toda a Diretoria estiveram presentes), ombro a ombro, lutando juntos, sem qualquer diferenciação, todos rigorosamente iguais.  Advogados da União, Assistentes Jurídicos, Procuradores da Fazenda Nacional, Procuradores do Banco Central e Procuradores Federais; Mulheres e Homens; Jovens e Experientes; colegas de todas as regiões do Brasil: UMA SÓ CATEGORIA, UMA SÓ CARREIRA, UM SÓ IDEAL; A ADVOCACIA PÚBLICA FEDERAL.

       

      A luta pelo aumento é importante, mas o foco é pelo respeito à nossa honra, dignidade e pela importância e essencialidade da nossa Instituição.

       

      Destaco que não mandei um novo e-mail na quarta e na quinta por absoluta falta de tempo e dedicação integral ao trabalho realizado pela UNAFE neste período.  Voltei para Natal nesta madrugada (cheguei em casa às 3h de hoje).  Agora, são 09:30.

       

      Começo informando que este e-mail é complemento daquela mensagem que postei na noite da terça-feira (01/04).

       

      Na quarta-feira (02/04), Eu e Luiz Muniz começamos o trabalho no Congresso Nacional bem cedo, retomando os contatos com parlamentares desse nosso Estado (RN), agendamos reuniões e tivemos contato pessoal com vários parlamentares.  Em seguida do almoço, fomos ao gabinete da Presidência do Congresso para audiência com o Senador Garibaldi Alves, agendada em Natal/RN. 

       

      Na iminência de começar a audiência, recebi ligação da Deputada Fátima Bezerra (PT/RN), que está liderando comissão de parlamentares para abertura de negociações.  A Deputada me informou que já tinha obtido contato com o Vice AGU e com o MPOG.  Disse que na quinta-feira (03/04), haveria reunião fechada da comissão com as duas autoridades pela manhã.  Perguntou por qual motivo que em toda reunião com o governo a Advocacia Pública Federal levava duas dúzias de representantes e por que existiam tantas associações.  Eu expliquei a situação e afirmei que hoje só existiam dois grupos dentro da APF, a UNAFE (a maior associação de Advogados Públicos Federais da ativa) liderada pelo Danilo Miranda e o Fórum (entidade sem personalidade jurídica que engloba o restante das associações) liderado pelo Souto.  Ela foi taxativa em dizer que apenas ambos, Danilo e Souto, deveriam participar das reuniões e que, antes, as duas entidades deveriam "afinar o discurso".  A Deputada pediu que eu avisasse aos dois, Danilo e Souto, da reunião na quinta pela manhã e que estivessem de prontidão a partir das 9h, pois poderiam ser chamados a tomar parte dela.  Eu fiz isso.  Informei pessoalmente ao Danilo e ao Souto.  Os dois afirmaram que se fariam presentes (O Souto disse que se ele não pudesse ir, mandaria representante).

       

      A Deputada disse ainda que as negociações do governo continuavam a existir com a direção da AGU, que a tabela iria até 2009 e que, no presente momento, o debate estaria em torno dos valores, porque o Min. Toffoli queria um de qualquer jeito e o MPOG queria outro menor.  Atestou que se houvesse flexibilização da carreira poderia ser a força final necessária para o posicionamento da direção da AGU prevalecer.

       

      Nessa hora, a assessoria da Presidência do Senado, que já tinha me chamado umas 10 vezes para entrar na sala, disse que eu teria que entrar de qualquer jeito, pois o Senador Garibaldi Alves já tinha chegado.  Agradeci à Deputada, desliguei o celular e corri para a audiência.

       

      Quando entrei na sala de audiência (que chama atenção pela imponência), a situação já estava montada: O Presidente da OAB estava sentado no sofá principal (com o lugar do Senador Garibaldi ao seu lado e a sua espera).  À direita, todo o Fórum (menos Giffone e Meire, que parece que sumiram de vez).  À esquerda,  três conselheiros federais da OAB, um lugar vazio que eu deveria sentar e mais dois atrás.  Fiz questão que o Danilo sentasse na frente, próximo aos Presidentes do Senado e da OAB, e de frente para o Fórum – olho no olho.  Sentei imediatamente atrás de Danilo e ao lado do meu colega de RN, Luiz Muniz (só para lembrar: a audiência foi conseguida pelo RN.  Por isso, a nossa presença).

       

      Logo após, o Senador entrou na sala e a audiência começou com a explanação do Presidente da OAB sobre a nossa greve e suas razões.  O Senador Garibaldi já estava por dentro de tudo, esse era o terceiro encontro com ele sobre o mesmo assunto (tive a sensação que ele tentava ser objetivo e procurava tornar a audiência mais eficiente).  Em seguida, Souto fez o discurso de que o acordo deveria ser cumprido na integra.  Nicola falou algumas poucas coisas e André Dantas fez comentários sobre a força do movimento.  Nesse momento, vendo que a conversa era pouco produtiva, porque tudo que estava sendo falado já era do conhecimento de todos e não estava havendo qualquer fato novo, pedi a palavra, identifiquei-me como de Natal (O Senador nos reconheceu de pronto) e disse que o que nos interessava era que ele ligasse para o Min. Paulo Bernardo e pedisse que ele recebesse a comissão de parlamentares liderados pela Deputada Fátima Bezerra para que se abrir, finalmente, as negociações com a APF.

       

      O Senador concordou e ligou de imediato para o Ministro.  Fez a ligação na nossa frente e deu para perceber perfeitamente toda irritação e descaso do Ministro para conosco.  Paulo Bernardo disse que nós éramos radicais, que brigávamos com todo mundo e que éramos inflexíveis.  O Presidente do Senado, até para quebrar o gelo e no seu jeito bastante peculiar e tranqüilo de ser (quem conhece ele, sabe do que eu estou falando), disse que para o Ministro parar de falar aquelas coisas porque já estava começando a ter medo da agente.  No final do telefonema, Garibaldi perguntou o que deveria ser feito para resolver o nosso problema.  O Ministro disse que somente com nossa flexibilização as negociações seriam abertas.

       

      Em seguida, entraram na sala os Senadores Paulo Paim e Mário Couto.  Garibaldi perguntou a Paim de que forma eles poderiam nos ajudar, pois não tinha muita experiência com greves e disse que não queria se comprometer com nosso pleito por que várias autoridades já teriam sido desautorizadas pelo governo e ele não queria ser mais um a nos prometer e não honrar sua palavra. 

       

      Paim disse que estava inteirado da nossa situação e que o momento era grave, pois havia um impasse entre os dois lados e ninguém queria ceder (nós, para não sermos humilhados.  O governo, para não se tornar frágil diante de todo os servidores públicos).  Afirmou que faria contato com Min. Paulo Bernardo para abertura de negociação.  Nesse momento, Garibaldi afirmou que Paim poderia ligar naquele momento mesmo e foi feito isso.  Uma nova ligação para Paulo Bernardo foi feita na nossa frente, mas o Ministro não pode atender.  Paim disse que retornaria depois o contato com Danilo e Souto.

       

        Nesse momento, o Presidente da OAB deu idéia muito interessante e que já teria o apoio do Toffoli e da Presidente do STF.  Seria feita uma audiência de conciliação entre APF e governo no STF, que seria homologada pela Ministra Elen, colocando fim à greve de uma forma adequada para ambos os lados, sem vencedores nem vencidos.  No entanto, para isso, o acordo deveria ser feito antes, pois ela não teria como mediar o conflito político existente.

       

      A audiência se encerrou e retomamos o trabalho parlamentar.  Depois de muita procura, encontramos o Deputado João Maia (PR/RN) e marcamos audiência com ela no final da tarde.  O Deputado, extremamente preparado (discutindo até assuntos jurídicos afetos à Fazenda Nacional), demonstrou conhecimento de nossa causa e disse que nós estávamos no lugar certo, pois era amigo pessoal do Min. Paulo Bernardo.  Eles tinham estudado juntos e foram expulsos também juntos da Universidade em decorrência de uma negociação difícil no movimento estudantil.  O Deputado entrou em contato imediatamente com a Deputada Fátima Bezerra para fazer parte da comissão parlamentar e disse que faria o mesmo com o Ministro Paulo Bernardo.

       

      Na quinta-feira (03/04), amanhecemos no Congresso Nacional.  Como prometido pela Deputada Fátima Bezerra, a comissão de parlamentares se reunião com autoridades do governo.  Infelizmente, ninguém do Fórum compareceu (como o Souto tinha se comprometido no dia anterior).  A Deputada nos levou ao plenário e, diante da comissão, o Vice AGU afirmou que na segunda ou terça as associações seriam convocadas para tomar conhecimento da proposta do governo.  Em seguida, a Deputada Fátima e Mais os Deputados Chico Lopes (PC do B-CE e Alice Portugal (PC do B – BA) ficaram conversando por longo tempo conosco (Danilo também estava presente).  Eles disseram que há uma luta para preservação do conteúdo do acordo, que nós deveríamos nos preparar para negociar (leia-se flexibilização), que há comentários sobre o futuro incerto da nossa liminar, que não entendiam a pluralidade de nossas associações, que isto prejudicava a negociação, que deveríamos ter uma entidade única (a Deputada Alice até se dispôs a tomar iniciativa, depois da greve, para reunir todas as associações e procurar um entendimento, como foi feito na FENAJUFE).

       

      Depois disso, eu e Luiz fomos à sede da ANPPREV e, em seguida, fui para a sede da UNAFE, onde estava tendo reunião com todos os colegas sobre os contatos realizados e um chamado do MPOG para ter reunião na quinta-feira mesmo, desde que só comparecessem Danilo e Souto e que ambos estivessem com o "discurso afinado".

       

      Tentamos vários contatos com Souto, mas o telefone dele parecia estar com algum problema, porque a ligação não completava.  Isso foi até bom, pois levantamos a possibilidade de que o governo poderia nos passar a perna, apresentando proposta inferior àquela que o Ministro Toffoli já teria conseguido.  Como ninguém tem conhecimento de tal proposta, o melhor seria aguardar o chamado da segunda ou terça-feira, quando Toffoli e Bernardo já teriam chegado a alguma conclusão.

       

      Isso foi feito.  Graças a Deus! Na noite de ontem, Danilo obteve a confirmação de que a reunião será na próxima segunda-feira, às 19h, quando teremos conhecimento da proposta do governo e passaremos a negociar.

       

      Ainda ontem à tarde, as lideranças da UNAFE foram a PFN cobrar posicionamento de vários colegas que não entraram em greve até hoje.  Há vários PFN's valorosos que estão em greve sofrendo todo tipo de pressão em prol da APF, porém, infelizmente, também há os que se utilizam das mais curiosas desculpas para não entrar no movimento. 

       

      A visita foi sensacional!!! É impressionante o poder de argumentação das nossas lideranças.  Todos falavam, um após o outro, uns mais duros, outros mais moderados, mas todos cobravam atitude e respeito aos Princípios e Valores que o Advogado Público Federal deve seguir!!!

       

      Foi nesse momento, que surgiu o grito de guerra da nossa greve.  Chega de desculpa, chega de lamúria, é hora de atitude, é hora de coragem, "SEJAS HOMEM!!!"  J

       

      Só me lembro de uma lição da vida de São Bento: "Senhor, dai-me força diante das dificuldades, a buscar ser o que eu deveria ser, a assumir aquilo que eu sou e a cumprir com minha missão espiritual."

       

      Eu falei isso em Brasília nesta semana.  Além de todo o esforço, da entrega, da garra e da dedicação, nós também precisamos rezar.

       

      Penso que escrevi o que aconteceu na minha visão nesta semana.  

       

      O canal de negociação foi aberto, nosso trabalho foi importante para isso, UNAFE e Fórum estão rigorosamente no mesmo nível de negociação aos olhos do governo.

       

      A próxima semana será decisiva para todos nós.  Os Estados precisam mandar mais representantes para Brasília.

       

      Seja lá o que acontecer, sinto-me vitorioso de ter a oportunidade viver tudo isso, de compartilhar a presença de pessoas tão honradas, de caráter reto, que combatem sem temor, que trabalham sem descanso, que lutam sem medo de serem feridas e que não esperam outra recompensa senão o respeito aos seus Princípios e Valores.

       

      Honra e glória!

       

      Abraços a todos,

       

      Murillo Cesar de Mello Brandão Filho

      Procurador Federal - Mat. 1351690

      Seção de Cobrança e Recuperação de Créditos - PF/RN

       

       

       


      --~--~---------~--~----~------------~-------~--~----~
      Associe-se à UNAFE.

      Tenha a iniciativa e convicção de construir um projeto consistente para a Advocacia Pública Federal pela da participação efetiva de TODOS os seus membros na vida associativa, na definição democrática dos destinos das nossas carreiras e Instituição e, notadamente, com transparência política, financeira e renovação contínua do seu corpo de representantes na prática corporativa.

      Esse é o novo e derradeiro caminho para a configuração e o fortalecimento da Advocacia Pública Federal, que está baseado essencialmente na união, harmonia, paz, respeito e tolerância entre as pessoas.

      A UNAFE não nasce para competir com as entidades já existentes, mas sim congraçá-las à concórdia e reunião das suas forças e tradições em prol de um futuro sólido, digno e estável. É preciso dialogar com as outras associações, buscando formas de se fortalecer a representação da nossa categoria e possibilitar a formação de uma única, legítima e forte associação.

      Acredite num futuro m
      -~----------~----~----~----~------~----~------~--~---


      No virus found in this incoming message.
      Checked by AVG.
      Version: 7.5.519 / Virus Database: 269.22.5/1359 - Release Date: 4/4/2008 8:23 AM
    • Show all 3 messages in this topic