Loading ...
Sorry, an error occurred while loading the content.

FW: desdobramentos do Manifesto "Aids no Brasil: o que nos tira o sono?"

Expand Messages
  • Marisol Alves
    Date: Tue, 9 Oct 2012 09:14:52 -0300 Subject: Fwd: desdobramentos do Manifesto Aids no Brasil: o que nos tira o sono? From: marciodesouzaxxi@gmail.com To:
    Message 1 of 1 , Oct 9, 2012
    • 0 Attachment

       

      Date: Tue, 9 Oct 2012 09:14:52 -0300
      Subject: Fwd: desdobramentos do Manifesto "Aids no Brasil: o que nos tira o sono?"
      From: marciodesouzaxxi@...
      To: gaiasoll@...



      ---------- Mensagem encaminhada ----------
      De: Manifesto Aids <manifestoaids@...>
      Data: 8 de outubro de 2012 21:54
      Assunto: desdobramentos do Manifesto "Aids no Brasil: o que nos tira o sono?"
      Para: Manifesto Aids <manifestoaids@...>


      Prezad@s,

      Esta mensagem é para compartilhar com tod@s vocês os desdobramentos que advieram do manifesto “Aids no Brasil: o que nos tira o sono?” e das diversas manifestações anteriores que reclamavam o aprimoramento da resposta brasileira à epidemia.

      O principal deles foi a realização de uma reunião convocada pelo Ministério da Saúde, no último dia 04 de setembro. Pesquisadores e ativistas de organizações da sociedade civil (listados ao final da mensagem) foram recebidos pelo Ministro Alexandre Padilha, juntamente com o Secretário de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa, os diretores adjuntos do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Eduardo Barbosa e Ruy Burgos, além de representantes de outras áreas do Ministério da Saúde.

      O grupo enfatizou, como questão central, a preocupante deterioração dos canais de diálogo do governo com o movimento social e com pesquisadores. Além disso, apresentou ao Ministro cinco pontos essenciais para o futuro do enfrentamento da epidemia de HIV/AIDS no Brasil, que foram amadurecidos em diversas conversas ao longo do Congresso Brasileiro de Prevenção:

      1. Reconhecimento de que há uma epidemia de AIDS crescente no Brasil, ao contrário da estabilização divulgada pelo Ministério.
      2. A política de AIDS deve estar baseada nos Direitos Humanos, garantindo os direitos das populações vulneráveis mais atingidas pelo HIV como HSH, transexuais, trabalhadores e trabalhadoras comerciais do sexo, pessoas privadas de liberdade e usuários de drogas. Desta forma, não é possível tolerar censuras às campanhas de prevenção para estas populações.
      3. Apoio ao fortalecimento institucional das ONGs que trabalham com HIV/AIDS;
      4. Reforço a Estados e Municípios, que estão fechando ambulatórios e leitos e não repõem profissionais que deixam os serviços. Ressalte-se que isto ocorre num contexto em que há um número crescente de pacientes com HIV/AIDS em acompanhamento.
      5. Discussão ampla, envolvendo gestores, pesquisadores e sociedade civil a respeito da incorporação das novas tecnologias de prevenção visando à diminuição das novas infecções.


      A agenda foi bem recebida pelo Ministro, que reconheceu a relevância de trabalhar sobre esses cinco pontos. Em razão disso, propôs a realização de reuniões extraordinárias da Comissão Nacional de AIDS (CNAIDS) e da Comissão de Articulação com os Movimentos Sociais (CAMS), ainda em 2012, para discuti-los em profundidade.  O Ministro declarou também que sua gestão pretende realizar uma Consulta Regional sobre AIDS, para conhecer melhor a epidemia e aprimorar os caminhos de diálogo, com ênfase na prevenção.

      A receptividade do Ministro em relação às demandas de ativistas e pesquisadores sinaliza a possibilidade de um novo momento na resposta à epidemia. Entretanto, o acompanhamento desses pontos exigirá atenção, mobilização e incidência política de todos os atores comprometidos com a qualidade da política brasileira de AIDS.  

      Tendo isso em vista, daremos continuidade às nossas ações de mobilização e debate, por meio de seminários e publicações que serão oportunamente divulgados. Além disso, em breve reformularemos o nosso blog para, a partir dele, divulgarmos análises cientificamente embasadas sobre esses pontos, assim como outros conteúdos de interesse para o debate. Vocês todos serão convidad@s a se tornarem seguidor@s do nosso novo espaço virtual e a colaborar com suas ideias!

      Com essas iniciativas, esperamos seguir contribuindo para a construção conjunta de uma política renovada e baseada no diálogo, que sempre foi a marca distintiva das ações de AIDS no Brasil.


      Cordialmente,

      Comitê de Articulação do Manifesto "Aids no Brasil: o que nos tira o sono?"
      Imagem inline 1

      Participantes da reunião realizada em 04/09/2012 no Ministério da Saúde
      - Antonio Ernandes  Marques da Costa (Representante do Mov. Social de AIDS na CNAIDS/Norte)
      - Elifrank Moris (Representante do Mov. Social de AIDS na CNAIDS/Centro-Oeste)
      - Jair Brandão (Representante do Mov. Social de AIDS na CNAIDS/Nordeste)
      - Mario Scheffer (Grupo pela VIDDA/SP)
      - Roberto Pereira (Representante do movimento social de AIDS na CNAIDS/Sudeste)
      - Rodrigo Pereira (Fórum de ONGs/AIDS do Estado de São Paulo)
      - Sueli Camisasca (Representante do Mov. Social de AIDS na CNAIDS/SE)
      - Vera Paiva (NEPAIDS/USP)
      - Veriano Terto Jr. (ABIA).
      - Wilson Urbano (Representante do Mov. Social de AIDS na CNAIDS/Sul)

    Your message has been successfully submitted and would be delivered to recipients shortly.